Galeria de Fotos

Algumas fotos de nossas Aventuras.

Sobre a Tribo

Conheça a Tribo da Trilha PE.

Diretor
John Doe

Kelson Rodrigues

Empreendedor, apaixonado por aventuras e natureza, Educador ao ar livre formado pela Outward Bound Brasil, Técnico em Segurança do Trabalho, Condutor Especializado em Turismo de Aventura, Auditor e Gestor de Riscos.

Kelson Rodrigues dedica-se as atividades esportivas, treinamentos e consultoria, com larga experiência em diversos áreas de trabalho e ainda dedica-se a trabalhos voluntários..

Quem Somos

Somos uma empresa atuante no segmento do Turismo e Esportes de Aventura, desde 2001, localizada no Recife – Pernambuco, com condutores especializados, onde nos destacamos como a mais atuante em nossa região e com atuações em outras partes do Nordeste e do Brasil. Atuamos em conformidade com as Normas da ABNT NBR e ISO.

Missão

Ser uma empresa inovadora nas atividades ao ar livre referenciada em segurança.

Visão

Fazer do negócio Turismo de Aventura e Esportes de Aventura uma experiência única com qualidade e segurança.

Valores

Profissionalismo, Ética, Transparência, Segurança, Satisfação do Cliente e harmonia entre nossos colaboradores, parceiros, clientes e o Meio Ambiente, mantendo o seu curso natural.

Produtos

Caminhada e Caminhada de Longo Curso, Expedições, Rapel, Canionismo, Cachoeirismo, Arvorismo, Tirolesa, Parede de Escalada, Consultorias, Assessoria, Auditorias, Treinamentos Corporativos, Treinamentos em Técnicas Verticais, Montanhismo, Locação e Construção de: Parques de Aventura, Paredes de Escalada, Tirolesa, Circuito de Arvorismo, Circuito de Obstáculos.

Modalidades

Atuando da construção, locação e assessoria nos seguintes produtos, a Tribo da Trilha com seu corpo técnico, oferecendo segurança, satisfação e rentabilidade para o cliente, sempre inovando com seus equipamentos: Tirolesa, Escalada, Arvorismo, Rapel e Circuito de Aventura.

Com um know-how em atividades ao ar livre, na prestação desse serviço em cidades do nosso estado, e em outras regiões do Brasil, parcerias com as Prefeituras locais e Governo Federal, atendemos crianças e adolescentes da rede educacional, oferecendo experiências e práticas esportivas, como também agências de publicidade.

A Tribo da Trilha é uma empresa comprometida com o desenvolvimento econômico, social e ambiental do país, atuando de forma ética nas suas relações com seus diferentes públicos. Para atender a este compromisso, a empresa segue os seguintes princípios:

  • Condução de atividades turísticas de base comunitária (TBC) fortalecendo a economia local.
  • Valorização dos colaboradores, oferecendo boas condições e bom ambiente de trabalho, desenvolvimento profissional, estímulo à qualidade de vida e a promoção da saúde;
  • Respeito aos direitos humanos, pautando suas ações em princípios de cidadania, inclusão social e não discriminação;
  • Respeito à diversidade de raça, gênero e cultura no ambiente de trabalho;
  • Respeito à legislação brasileira e órgãos regulatórios;
  • Apoio à erradicação do trabalho infantil, escravo e degradante.
  • Oferta de atividades esportivas, seja lúdica ou de aventura aos menos favorecidos.
  • Segundo a ABNT, o rapel é o “produto em que a atividade principal é a descida, em ambientes secos, em corda utilizando procedimentos e equipamentos específicos.”

    A descida pode ser mais rápida e emocionante ou mais contemplativa – basta controlar a velocidade do deslizamento com as luvas e com o uso de um freio metálico onde a corda enlaçada. Na parte de baixo, no chão, outro condutor pode tensionar a corda para que ela fique esticada e permita uma descida mais segura, um outro condutor, na base de saída controlando o sistema redundante. O rapel no meio do abismo, pontes chamado de negativo, quando não há contato com os pés, há ainda o rapel em positivo, quando dá para descer apoiando-se os pés na rocha.

    “Descida de quedas d’água, seguindo ou não o curso d’água, usando técnicas verticais.” (ABNT)

    É um esporte de percurso e descidas tanto em cachoeiras, gargantas e cânions como nas corredeiras em sua extensão total ou parcial. Por se tratar de percorrer um trajeto natural e muitas vezes desconhecido se faz necessário o conhecimento das técnicas para cada tipo de situação.

    A escalada é definida pela ABNT como “ascensão de montanhas, paredes ou blocos rochosos”. Atividade praticada em duplas ou em grupo, abrangendo variadas modalidades: a escalada de pequenos blocos (boulder), falésias (via), grandes paredes rochosas, alta montanha e ainda em muros artificiais elaborados para tal.

    Como um produto de turismo de aventura e recreação as modalidades ofertadas vão de muros artificiais a falésias e paredes rochosas com grau de dificuldade baixo. A experiência de ascender verticalmente utilizando de seu próprio esforço faz com que esta atividade atraia muito adeptos .

    Perigos e Riscos:

  • O principal risco é o uso inadequado dos equipamentos de segurança, o que pode ocasionar uma queda.
  • Exposição demasiada ao sol, pequenas lesões e escoriações são riscos inerentes à atividade.
  • Produto em que a atividade principal é o deslizamento do cliente em uma linha aérea ligando dois pontos afastados na horizontal ou em desnível, utilizando procedimentos e equipamentos específicos. (ABNT)

    Para quem está à procura de emoção nas alturas, a Tirolesa é o esporte ideal. Isso porque a atividade, que é sinônimo de aventura, proporciona a sensação de voo, apreciando diversas paisagens. A prática consiste em atravessar um determinado trecho através de cabos de aço ou cordas, fixados em dois pontos horizontais, deslizando por roldanas. A técnica - que surgiu na região de Tirol, situada na Áustria - era utilizada para a condução de pessoas, animais e mantimentos por cima de rios e montanhas. Atualmente, além de alpinistas e esportistas, muitos aventureiros dispõem da prazerosa atividade, que não exige esforço físico do participante.

    Locomoção por percursos em altura instalados em árvores ou em outras estruturas. (ABNT)

    O Arvorismo é um esporte recente no Brasil, baseiam-se em uma montagem de trilhas, passarela, redes, tirolesa e diferentes atividades suspensas, através de cordas e cabos de aço alocados de maneira estratégica para proporcionar a cada participante uma boa dose de adrenalina e desafio. Com muita segurança, o participante percorre trechos aéreos, aonde a dificuldade vai aumentando progressivamente.

    A ideia dessa atividade é desenvolver, explicar e praticar as mais diversas formas de técnicas verticais.

    Como toda atividade realizada em altura, o arvorismo tem como principal risco a queda do participante (que pode ser até o chão, ou queda parcial com impacto forte provocado por pêndulo ou tranco).

    Os riscos secundários são pequenos machucados e lesões ao subir na escada de acesso ou mesmo escorregar nas pontes (arranhões ou torções).

    Outras

    Por definição o hiking é uma caminhada de curta duração, preferencialmente de poucas horas, e que não envolve nenhuma atividade de camping ou pernoite. Um hiking é, por exemplo, uma caminhada no estilo ” bate-e-volta” muito comum em parques e, à luz da razão, assemelha-se muito a um passeio contemplativo com o determinado compromisso de voltar ao ponto inicial no mesmo dia. Porém em parques que primeiramente os praticantes deixam os pertences em um refúgio, saem para caminhar e após algumas horas voltam a este mesmo refúgio é, necessariamente, um hiking.

    O termo “montanhismo” é aplicado para designar a atividade que consiste em subir montanhas. O objetivo do montanhismo centra-se no cume. Atingir o ponto culminante de uma determinada montanha ou o topo de uma falésia. Para tal, é frequente recorrer a técnicas de escalada, daí confundir-se intimamente com essa atividade que não é mais do que uma das suas disciplinas base, a par da marcha, esqui ou campismo/bivaque de montanha.

    Referencia-se do pedestrianismo pela sua maior dificuldade e diferença de objetivos. E pode diferenciar-se, de certo modo, do alpinismo, que implica geralmente maiores dificuldades, por estar associado à alta montanha, ou seja, terrenos glaciares e/ou altitudes que obriguem a aclimatação.

    Quando se fala em acampar, as pessoas sempre associam a escolha de um local bucólico e tranquilo, a montagem da barraca e de imediato à preparação de um círculo ao redor de uma fogueira, está no centro, em torno do qual todos se reúnem para cantar ao som de um violão, aquecer-se, conversar ou cozinhar, repetindo um ritual de socialização transmitido de geração a geração.

    Acampar é uma forma antiga de se desbravar e conquistar algum lugar desconhecido e até inóspito! Daí se faz necessário o conhecimento de procedimentos técnicos como também equipamentos para cada local que se pretende chegar e ficar. Nem sempre o local mais confortável é o melhor e mais seguro. Tais como: Gramado, areia clara, terra, barro, piçarra, lajedos, áreas abertas e com vasta floresta, campos mais alto de florestas, encostas de barrancos, próximo a rios ou córregos, trilhas abertas.

    Atividade de turismo que tem como elemento principal a realização de percursos de bicicleta (ABNT).

    Os passeios de cicloturismo geralmente são oferecidos por operadoras especializadas. Essas viagens podem ter uma única base como local de estada, ou pode ainda haver deslocamento ao longo do trajeto, com múltiplos meios de hospedagem. Há também os de curto percurso, que acontecem, por exemplo, durante um dia, ao deslocar-se do entorno habitual de vivência e praticar o turismo nas proximidades. São os chamados passeios ciclísticos.

    Perigos e Riscos:

  • O maior risco são os acidentes de trânsito.
  • Quedas com hematomas, fraturas e luxações podem acontecer.
  • Desgaste dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).
  • Condição física desfavorável.
  • “Descida de cursos d’água usualmente em cânions, sem embarcação, com transposição de obstáculos aquáticos, horizontais ou verticais.” (ABNT)

    É um esporte de percurso e descidas tanto em cachoeiras, gargantas e cânions como nas corredeiras em sua extensão total ou parcial. Por se tratar de percorrer um trajeto natural e muitas vezes desconhecido se faz necessário o conhecimento das técnicas para cada tipo de situação.

    Fazer uma caminhada seja leve ou bastante técnica e longa, saltos, cascading, corrimãos, nadar, desescalar e até escorregar em tobogãs naturais são todos procedimentos muito técnicos e subprodutos desta atividade esportiva tão rica.

    Atividade praticada em canoas e caiaques, indistintamente, em mar, rio, lago, águas calmas ou agitadas.

    A canoa pode ser aberta ou fechada com remo de uma só pá podendo o praticante estar sentado ou ajoelhado. O caiaque é uma embarcação fechada que utiliza remo de duas pás; o praticante permanece sentado na cabine. As canoas e os caiaques de hoje são feitos em madeira, fibra de vidro, fibra de carbono, plástico.

    Perigos e Riscos:

  • O risco principal é afogamento.
  • Desgaste dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).
  • Lançar-se ao desconhecido! Expandir a zona de conforto, são situações que encontramos numa expedição, ela pode ser mista, unindo duas ou mais atividades e ou meios de locomoção tipo: caiaque, bike, 4x4, entre outros. Caracteriza-se em mais de dois dias, contemplando a natureza, praticando esportes outdoors podendo pernoitar em camping, abrigo ou até mesmo numa pousada/hotel.

    Atividade de turismo de aventura que tem como elemento principal a caminhada. (ABNT) De longo curso: “Caminhada em ambientes naturais, que envolva pernoite.” (ABNT)

    No Brasil existem três normas sobre o tema, que são as ABNTs:

  • NBR 15398 – Turismo de aventura – Condutores de caminhada de longo curso – Competências de pessoal;
  • NBR 15.505-1 / 2008 - Turismo com atividades de caminhada Parte 1: Requisitos para produto;
  • NBR 15.505-2 / 2008 - Turismo com atividades de caminhada Parte 2: Classificação de percursos.
  • Dicas de Sustentabilidade

    Reduza o impacto de sua casa A maior parte das emissões de carbono das casas provém da queima de combustíveis fósseis para geração de energia e aquecimento. Utilizando a energia de maneira mais eficiente em casa, você pode reduzir suas emissões e diminuir a sua conta de energia elétrica em mais de 30%. Além disso, uma vez que a agricultura é responsável pela emissão de cerca de um quinto dos gases causadores do efeito estufa, você pode contribuir para a redução simplesmente selecionando o que você come.

    Veja como:

    • Substitua a lâmpada incandescente normal por uma fluorescente compacta (lfc) As lâmpadas fluorescentes compactas (lâmpadas frias) consomem 60% menos energia que uma incandescente normal. Essa simples troca reduz a emissão de carbono em 136 kg por ano.
    • Limpe ou troque os filtros de seu aquecedor e ar-condicionado. Limpar um filtro de ar sujo pode reduzir a emissão de dióxido de carbono em 159 kg por ano.
    • Prefira eletrodomésticos de baixo consumo de energia. Ao escolher um eletrodoméstico, como fogão, geladeira, freezer ou microondas, por exemplo, procure sempre o selo de certificação do Procel – Programa de Combate ao Desperdício de Energia Elétrica. Ele garante que você está levando um equipamento com eficiência comprovada e economia garantida. Se cada um de nós substituísse seus aparelhos pelos mais eficientes disponíveis no mercado, reduziríamos todos os anos 175 milhões de toneladas em emissão de dióxido de carbono.
    • Use menos água quente É necessária muita energia para aquecer água. Você pode utilizar menos água quente instalando um chuveiro de baixo fluxo e diminuir a emissão de dióxido de carbono em 158 kg por ano, e pelo mais de 200 kg lavando suas roupas em água fria ou morna.
    • Use o varal ao invés de usar a secadora sempre que possível Você pode reduzir a emissão de dióxido de carbono em 317 kg se usar o varal para secar a roupa por 6 meses durante o ano.
    • Desligue os aparelhos eletrônicos que não estiver usando Você reduzirá a emissão de dióxido de carbono em milhares de quilos se desligar sua televisão, aparelho de DVD, aparelho de som e computador quando não estiver usando-os.
    • Desligue os aparelhos eletrônicos da tomada quando não estiver usando-os Mesmo quando desligados, aparelhos como secadores de cabelo, carregadores de telefone celular e televisão, consomem energia. A energia usada para manter displays de relógio e chips de memória funcionando, é responsável por 5% do consumo de energia elétrica doméstica e emite 18 milhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera todo ano.
    • Ligue a lavadora de louça apenas quando estiver com sua capacidade total preenchida e utilize-a no modo de economia de energia Fazendo isso você pode reduzir em 45 kg por ano a emissão de dióxido de carbono.
    • Recicle seu lixo Reciclando metade do lixo produzido em sua casa no período de um ano, você pode reduzir sua emissão de dióxido de carbono em mais de 1 tonelada.
    • Compre produtos feitos de papel reciclado É necessário de 70 a 90% menos energia para produzir papel reciclado, além de prevenir o desmatamento de florestas.
    • Plante uma árvore Uma única árvore absorve 1 tonelada de dióxido de carbono durante sua vida. A sombra gerada pelas árvores também reduz os gastos com ar-condicionado de 10 a 15%.
    • Adquira um medidor de consumo de energia Muitas empresas oferecem medidores de consumo de energia gratuitos para que você possa descobrir onde sua casa está mal isolada ou com consumo elétrico ineficiente. Com a ajuda desses medidores, você pode economizar até 30% em sua conta de energia e reduzir em 454 kg a emissão anual de dióxido de carbono.
    • Utilize a energia limpa Em muitas localidades, você pode substituir sua energia elétrica por outras de fontes renováveis, como a solar e eólica.
    • Compre alimentos cultivados e produzidos localmente Comprando de produtores locais, além de economizar em combustível, você mantém a renda dentro da sua comunidade.
    • Compre alimentos frescos ao invés de congelados Alimentos congelados consomem dez vezes mais energia para serem produzidos.
    • Procure e apoie os produtores locais Eles reduzem em um quinto a quantidade de energia necessária para cultivar e transportar os alimentos.
    • Compre produtos orgânicos sempre que possível Os solos orgânicos absorvem e armazenam o dióxido de carbono em taxas muito maiores do que os solos de fazendas convencionais.
    • Evite produtos muito embalados Você pode reduzir a emissão de dióxido de carbono em 544 kg se eliminar 10% do lixo que produz.
    • Coma menos carne vermelha O metano é o segundo gás que mais contribui com o efeito estufa, e um dos principais emissores desse gás é o gado. Sua dieta baseada em grama e seus estômagos múltiplos são responsáveis pela produção do metano que exalam a cada respiração.
    • Reduza a emissão ao se locomover Aqui estão algumas medidas simples e práticas que você pode adotar para reduzir a quantidade de dióxido de carbono que emite ao se locomover.
    • Reduza o número de quilômetros dirigidos, caminhando, pedalando, revezando carona ou utilizando o transporte público, sempre que possível Deixando de dirigir apenas 16 km por semana, você reduzirá a emissão de dióxido de carbono em 226 kg por ano.
    • Comece um rodízio com seus colegas de trabalho e de estudo Pegando uma carona apenas duas vezes por semana e respeitando o rodízio de veículos que existe em algumas cidades brasileiras, é possível reduzir a emissão de dióxido de carbono em mais de 700 kg por ano.
    • Mantenha o motor de seu carro regulado Uma manutenção regular do motor de seu carro reduz o consumo de combustível e a emissão de gás. Quando apenas 1% dos proprietários mantém seus veículos regulados, aproximadamente 453 toneladas de dióxido de carbono deixam de ser lançados na atmosfera.
    • Cheque a pressão de seus pneus toda semana Manter os pneus devidamente calibrados diminui o consumo de combustível em mais de 3%. Já que cada litro gasolina economizado deixa de emitir 2,4 kg de dióxido de carbono na atmosfera, qualquer melhora na eficiência do combustível é relevante.
    • Na hora de trocar de carro, escolha um que consuma menos combustível Você pode reduzir a emissão de dióxido de carbono em mais de 1,3 tonelada por ano se o seu novo carro rodar apenas 4,8 km a mais por litro de combustível que o anterior. Você pode rodar até 95 km a cada 3,8 litros com um carro híbrido.
    • Tente trabalhar em casa Conectado ao escritório através do computador, você pode reduzir drasticamente a quantidade de quilômetros dirigidos toda semana.
    • Voe menos Viagens aéreas produzem grandes emissões de dióxido de carbono. Portanto, reduzindo o número de viagens a uma ou duas por ano, você pode diminuir as emissões significativamente. Para compensar as viagens, você pode investir em projetos de energia renovável. Ajude a promover mudanças localmente, nacionalmente e internacionalmente.

    Parceiros

    Fale Conosco

    Preencha o formulário abaixo.

    Contato